“Cabe a nós profissionais da saúde mudar o estigma relacionado ao HIV”. Com essa frase, Flaubert de Farias, encerrou a primeira exposição da capacitação Linha de Cuidado HIV/AIDS promovida pela Prefeitura de Alvorada, por meio da Secretaria Municipal de Saúde. Enfermeiros, médicos, profissionais de enfermagem, servidores e a equipe que atua no Serviços Integrados para Mulheres (SIM) participaram da atividade, iniciada na manhã desta quinta-feira, 22 de junho, no Salão do prédio administrativo da prefeitura, que contou com outro grupo para contemplar quem não pode estar no primeiro grupo da atividade.

Mestre em Ciências da Saúde pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Flaubert iniciou sua palestra apresentando dados da Unaids (Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids) sobre o Impacto global do vírus HIV/AIDS. Após, ele expôs estratégias utilizadas para diminuir o número de novas infecções, destacando que ocorreram grandes avanços na lutra contra a epidemia. Apesar das evoluções, o médico infectologista lembrou dos cinco desafios futuros no combate aos casos de HIV/Aids:

– Aumentar a testagem e melhorar o tratamento;
– Prover melhor o acesso ao tratamento;
– Garantir que quem recebe o tratamento alcance o controle virológico;
– Combater o estigma;
– Identificar as populações chaves afetadas.

Durante a palestra, o prefeito Appolo fez uma breve explanação, saudando a todos presentes, como uma maneira de reforçar a importância do trabalho realizado pelos servidores da saúde, parabenizando os presentes. “Quero trazer os cumprimentos da administração pela palestra e aula que está sendo realizada”, finalizou. O diretor de gestão territorial da Metroplan, Márcio Barcellos acompanhou o chefe do executivo durante a sua fala.

Segundo informações apresentadas, muitas pessoas que necessitam o tratamento, não foram diagnosticadas. Por isso, conforme Flambert, o diagnóstico e acolhimento precoce aumentam a chance de uma vida longa e saudável, além de reduzir o risco de transmitir o HIV. Antes de finalizar a apresentação inicial e avançar para informações relacionadas a abordagem inicial do adulto infectado, além de outros temas, ele lembrou da meta 90/90/90 da Unaids. Os objetivos estabelecidos estão presentes na Declaração de Paris a qual pretende que, até 2020, 90% das pessoas vivendo com HIV sejam diagnosticadas; 90% estejam em tratamento; e 90% tenha carga viral indetectável.

Antes do seguimento da palestra, uma pausa para o café possibilitou a integração entre os servidores da atenção básica na saúde. Por fim, Flambert lembrou dos estigmas relacionados ao HIV e de suas consequências. De acordo com os números apresentados, pacientes vivendo com HIV/Aids que relatam alto nível de estigma apresentam quatro vezes mais probabilidade de ter acesso insuficiente ao cuidado em saúde. Dessa forma, ele reforçou a importância dos profissionais de saúde trabalhar para mudar essa perspectiva.

Dando seguimento a palestra com o tema “Linha de Cuidado HIV Aids”, a assistente social do SAE (Serviço de Atenção Especializado), Maria Luiza Pereira conversou com os presentes acerca dos “Direitos e deveres das pessoas com HIV”. Inicialmente, ela explicou sobre os direitos fundamentais assegurados pela Constituição Federal, destacando que os principais são: a dignidade da pessoa humana e o acesso à saúde pública. Outro ponto abordado ao longo da exposição, foram os direitos concedidos a pessoa. Entre eles estão o passe livre no transporte municipal em Alvorada é garantido pela Lei 1.693/06, e a isenção ao imposto de renda.

Para encerrar o dia de aprendizagem, Normita Bonaldo coordenadora do Programa Municipal DST/AIDS elucidou sobre como ocorre o fluxo entre pacientes, quando buscam atendimentos nas unidades básicas de saúde. Ela lembrou de como os médicos devem encaminhar os formulários de solicitação de medicamentos, prontuários e solicitação de exames que chegam para o setor responsável da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Saiba mais:

O Programa Municipal DST/AIDS de Alvorada é um departamento da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) responsável pelo Serviço de Atenção Especializado (SAE) em doenças sexualmente transmissíveis. O espaço de saúde está lotado no Pronto Atendimento Municipal (PAM-8), que fica na Rua Roberto de Souza Feijo, nº 147.,

Texto: Ivan Júnior/ Edição-Revisão: Fábio Medeiros/ Fotos: Beatriz Schwartz