Olga Dirlei Nunes

Professora da rede municipal de Alvorada

Resumo

O projeto “O meio ambiente em nossas mãos” é realizado na Escola Municipal de Ensino Fundamental (E.M.E.F.) Almira Feijó no Município de Alvorada/RS, com a finalidade de desenvolver a Educação Ambiental na escola de forma permanente, envolvendo a comunidade escolar e o entorno onde vivem para pensar nas soluções dos problemas atuais e na construção de um futuro desejado por todos. Através de atividades, dinâmicas e fora da sala de aula, melhorando a gestão e a separação dos resíduos produzidos na escola, onde os alunos têm a participação direta e diária, tornando-se parte do processo realizado. São apresentadas praticas ecologicamente corretas para incutir uma conscientização a cerca do meio ambiente desde cedo, e a escola teve a responsabilidade de dar suporte para o desenvolvimento desta educação Ambiental de qualidade, estabelecendo o meio ambiente como patrimônio de todos, conduzindo os alunos a serem agentes ativos e não passivos e/ou meros espectadores.

Palavras chaves: Escola; Ambiente; Resíduos.

Introdução

Durante toda a nossa vida nos beneficiamos do Meio Ambiente, sem a preocupação de preservar os recursos que ele nos oferece, porém, devido ao seu uso indiscriminado, muito já foi destruído, causando sérios danos, reduzindo a qualidade de vida do ser humano. As questões ambientais vêm adquirindo uma grande importância na nossa sociedade. Estudos acerca dos problemas ambientais surgem a partir de novos paradigmas que visam uma direção mais sistêmica e complexa da sociedade.

Neste contexto, a escola emergiu suas discussões sobre a educação ambiental como um processo de reconhecimento de valores, em que as novas práticas pedagógicas devem ser responsáveis na formação dos sujeitos de ação e de cidadãos conscientes de seu papel no mundo. De acordo com a Lei Nº 9.795, de 27 de abril de 1999, Art. 10. “A educação ambiental será desenvolvida como uma prática educativa integrada, contínua e permanente em todos os níveis e modalidades do ensino formal”

O projeto de educação ambiental é desenvolvido na E.M.E.F. Almira Feijó, por acreditar que a escola é um veículo com grandes poderes de transmissão de pensamento, e também auxiliadora no processo da construção de conhecimento. Através deste, foram propostos novos caminhos para criar uma nova postura em relação ao meio ambiente, partindo do cuidado pessoal até o cuidado com ambiente em que estamos inseridos. Com o objetivo de melhorar a separação de resíduos sólidos na escola, por meio da sensibilização, despertando uma consciência ecológica e desenvolvendo grupos multiplicadores, são realizadas atividades envolvendo a temática ambiental.

Busca-se incentivar a pratica da correta separação e destino adequado de resíduos sólidos, de acordo com a Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), e prevê a prevenção e a redução na geração de resíduos, tendo como proposta a prática de hábitos de consumo sustentável e um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos resíduos sólidos (aquilo que tem valor econômico e pode ser reciclado ou reaproveitado) e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos (aquilo que não pode ser reciclado ou reutilizado).

Material e Métodos

O projeto é desenvolvido no período de março a dezembro, com encontros quinzenais de duas horas em cada turma, contemplando as doze turmas do turno da manhã e as doze do turno da tarde, do Pré ao 5º ano, conforme cronograma abaixo (figura 1).

O trabalho inicia com o tema “Ambiente”, partindo do corpo (“eu”) ao Planeta Terra (aluno – sala de aula – escola – bairro – cidade – estado – país – planeta); o ambiente menor inserido dentro de um maior. Aborda-se o assunto sobre higiene física, ambiental e alimentar, levando o aluno a refletir sobre a importância de respeitar e manter limpo e conservado o ambiente (tanto o corpo quanto o planeta) em que estamos inseridos.

Através de vídeos, histórias, palestras e conversas informais são transmitidas informações sobre a evolução do homem e o uso dos recursos naturais; o que são resíduos sólidos e como são separados; também são realizadas as oficinas com resíduos recicláveis e caminhada com panfletagem pelo bairro, evidenciando que tudo que se produz é de responsabilidade de cada um, principalmente o que se vai jogar “fora”. Segundo Reigota apud Átna Gomes Silva (2009, 104 f.: II):

“A educação ambiental deve ser entendida como educação política, no sentido de que reivindica e prepara os cidadãos para exigir justiça social, cidadania nacional e planetária, autogestão e ética nas relações sociais e com a natureza. Assim a educação ambiental, não se restringe a trabalhar somente assuntos relacionados à natureza, mas tem um compromisso maior de construção de valores e de complementos. O homem se relaciona com o espaço e se relaciona consigo mesmo dentro do mesmo espaço que vem sido construído e reconstruído”.

Todas as salas de aulas possuem três lixeiras para que seja feito o descarte correto dos resíduos. Cada uma com um adesivo da reciclagem: 1-marrom para o orgânico, 2- azul para o papel, e 3 – amarelo vermelho e verde para o reciclável (figura 2).
Os recursos utilizados para a realização do projeto são aqueles de uso comum do aluno, da escola, próprios da professora, colaboração dos demais membros do corpo docente, da diretora e pai, da SMAM.

Resultados

Durante o ano são trabalhados os conteúdos: Meio Ambiente, Recursos Naturais, Resíduos Secos e Orgânicos, Saúde e Qualidade de Vida através de atividades mais práticas e fora da sala de aula. Esta oferta faz com que aja maior interesse e participação, percebendo-se maior interação, responsabilidade e entusiasmo por parte dos alunos em desenvolver atividades no ambiente escolar onde fazem parte todos os dias. Os mesmos demonstram-se lisonjeados em poder auxiliar no processo de sensibilização do outro, contribuindo para mudanças de percepção e atitudes em relação ao meio ambiente desenvolvendo hábitos e cuidados com a separação dos resíduos.

Os conhecimentos que se transmitem e se recriam na escola ganham sentido quando são produtos de uma construção dinâmica, que se opera na interação constante entre o saber escolar e os demais saberes, entre o que o aluno aprende na escola e o que ele trás para a escola, num processo continuo e permanente de aquisição, no qual interferem fatores políticos, sociais, culturais e psicológicos. (BRASIL, 1997 a)

Para FREIRE e SHOR (1986), “a informação deve servir ao conhecimento como a bússola serve ao barco que ele ajuda a guiar; e o conhecimento serve a consciência; e a consciência não é um espelho da realidade, simples reflexo, mas reflexiva e refletora da realidade”.

Discussão

A apresentação de temas ambientais na educação deve dar ênfase em uma perspectiva geral, sendo bastante importante que atividades sejam desenvolvidas com os educandos, de forma a estimulá-los, tendo em vista que as crianças são bastante curiosas e é comum uma maior integração e participação das mesmas, onde a aprendizagem neste sentido deve ser contínua. A partir disso, é importante que sejam apresentados temas pertinentes que levam a uma conscientização, de maneira que esta criança dissemine tal conhecimento, pois é comum uma criança ao adquirir um novo conhecimento repassar principalmente para seus familiares (Dias 2004, p.202).

Através dos encontros quinzenais com cada turma e a partir da sensibilização dos alunos, houve a prática diária de observar e fazer a separação dos resíduos produzidos na sala de aula. Aos poucos, essa ação foi ultrapassando os muros da escola, chegando até suas casas. Com a palestra realizada pela professora do projeto em parceria com o Grupo Escoteiro Chefe Ieda (também de Alvorada), que tem como um dos objetivos “cuidar da natureza, deixando o ambiente que está inserido melhor do que encontrou” pôde-se repassar à comunidade a importância de fazer a correta separação dos resíduos produzidos em casa, e que cada um é responsável direta e indiretamente por aquilo que produz. O cuidado com o descarte ajudará a conservar e melhorar as condições do nosso ambiente, e resultando assim numa melhor qualidade de vida, tanto para o planeta como para os seres vivos no geral.

Educação Ambiental é um conjunto de conteúdos e práticas ambientais, orientadas para a resolução dos problemas concretos do ambiente, através do enfoque interdisciplinar e de uma participação ativa e responsável de cada indivíduo e da comunidade. Assim, pode-se dizer que a Educação Ambiental é o processo contínuo de capacitação do cidadão para que este participe ativamente da conservação do Meio Ambiente, contribuindo, portanto, para a sua qualidade de vida. Em outras palavras, a Educação Ambiental deve configurar-se numa proposta de questionamento, devendo colaborar neste sentido, a escola como um todo, de acordo com as relações que se dão no ambiente escolar, a família e a sociedade de maneira geral. (DIAS, 2004)

Com o projeto foram realizadas ações como a: “1ª Ação – O ambiente em nossas mãos”, que em parceria com o Grupo Escoteiro Chefe Ieda, a SMAM, a Sala Verde, a ONG Embrião, coletaram pilhas, resíduos eletrônicos, óleo de cozinha, Pets, vidros, etc, e o troca-troca de roupas e calçados. Ação voltada à melhoria do meio ambiente e da qualidade de vida, promovendo trocas entre a escola e a comunidade, contribuindo assim, para um dia-a-dia participativo, democrático, animado e saudável.

“Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. Então eu preciso participar das decisões que interferem na minha vida.” (Herbert de Souza, o Betinho).

Considerações

O projeto que foi desenvolvido contribui para melhorar a gestão e separação dos resíduos produzidos na escola e para que a comunidade escolar (alunos, professores, funcionários e pais) reflita sobre a educação ambiental, compreendendo que cada um pode e deve fazer a sua parte para melhorar o ambiente em que estamos inseridos. Destaca-se positivamente a participação e motivação dos alunos, a colaboração da equipe diretiva e dos professores, e a parceria com do grupo escoteiro Chefe Ieda.

Agradecimentos

Agradeço a Diretora pelo convite feito e por acreditar no meu trabalho; às colegas pela colaboração, aos alunos pela receptividade e, principalmente, à funcionária Marli Tavares, pela parceria e companheirismo. Sem ela com certeza o projeto não teria o mesmo rumo.

Referencias Bibliográficas
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente e saúde. Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, V. 9, P. 128, 1997.
DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 9° ed. São Paulo: Gaia, 2004
FREIRE P.; SHOR, I. Medo e ousadia – o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
Parâmetros Curriculares Nacionais- Meio ambiente
REIGOTA, Marcos (Org.). Verde cotidiano? O meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: P&A,1999.
SILVA, Átna Gomes, Gestão de Resíduos Sólidos na Escola Estadual Corina de Oliveira e criação de um precedente em Uberaba/Átna Gomes Silva-2009, 104 f.:;Il.

retorna sumario