A vegetação ao redor se proliferou a ponto de coabitar o mesmo espaço da lagoa, tornando quase impossível perceber que ali existia um espelho d’água. Esse era o estado em que a Lagoa do Cocão, um dos principais símbolos de Alvorada, se encontrava no início deste ano. Com o objetivo de “dar vida” à região novamente, servidores, cargos em comissão e a comunidade iniciaram uma força-tarefa para revitalizar o espaço público.

A mobilização para recuperação do corpo d’água iniciou no dia 8 de fevereiro, quando as secretarias municipais de Obras e Viação e de Meio Ambiente, com a colaboração dos cc´s, servidores do quadro e secretários municipais deram início a limpeza do local. Após as primeiras ações, moradores também começaram a contribuir com a limpeza do espaço.

Um exemplo do auxílio que a comunidade deu foi a criação de um aparato para acelerar a retirada das plantas aquáticas. Criado por Osmar Rodrigues e Lima, 70 anos, com ajuda de Rudi Guzati, o utensílio é formado por uma tela presa à galões e ferros de serralharia solados, que são preenchidos e puxados para fora da água pelo trator da SMOV. Segundo os moradores, o que os motivou a criar a ferramenta foi a dificuldade enfrentada pelos servidores e voluntários em retirar as macrófitas que estavam mais afastadas das margens.

Para intensificar a revitalização da Lagoa do Cocão, as secretarias deram início a mutirões de limpeza aos sábados. As ações ocorreram nos dias 11, 18 e 25 de março, reunindo cargos em comissão e a comunidade trabalhando de forma voluntária. Empresários da região também auxiliaram o serviço de limpeza, disponibilizando equipamentos e mão de obra para realização da atividade. Além da limpeza do espelho d’água, com a retirada das plantas aquáticas, também ocorreram corte de grama e recolhimento de folhas, galhos e lixo, com o auxílio de caminhões, escavadeiras e tratores.

Entre os objetivos das atividades de revitalização, estão conscientizar a população sobre a importância da preservação desse símbolo ambiental e de lazer de Alvorada. Agora, depois da mobilização para limpeza do local já é possível perceber o céu azul refletindo no espelho d’água. O serviço não termina aqui. A partir de agora é preciso preservar este espaço, e isso só depende da atitude de cada um.

Texto: Ivan Júnior/ Edição-Revisão: Celso Dornelles/ Foto 1: Magno Derlon/ Foto 2 e 3: Divulgação