“Jogos pedagógicos são desenvolvidos com a intenção explícita de provocar uma aprendizagem significativa, estimular a construção de um novo conhecimento e, principalmente, despertar o desenvolvimento de uma habilidade operatória, isto é, uma aptidão que possibilita a compreensão e intervenção do indivíduo nos fenômenos sociais e que o ajude a construir conexões”.

Antunes, CELSO – 1998

Nosso objetivo é proporcionar as crianças com dificuldades de aprendizagem, atividades de caráter lúdico educativo nas diversas áreas de conhecimento das séries iniciais do ensino fundamental, através da Investigação do processo de construção de conhecimento do aluno, criando estratégias de atendimento educacional complementar, integrando atividades desenvolvidas no Laboratório de Aprendizagem com o trabalho de sala de aula, visando o resgate da criança em todas as suas dimensões.

Nosso público alvo são os alunos com histórico de evasão e repetência, dificuldade de interação com os professores e colegas, defasagem de alguns conhecimentos básicos nas mais diferentes áreas, com “resistência” e “bloqueios” em relação à aprendizagem.

Com atendimentos realizados na sala do L.A e em outros espaços do contexto do educando como: pátio da escola, sala de multimeios, biblioteca. Através da elaboração um cronograma com dia e horário de atendimento de cada aluno.

A organização dos atendimentos será feita de acordo com as características e dificuldades de aprendizagem de cada um, utilizando jogos diversificados, atividades lúdicas, confecção e produções.

O responsável é entrevistado, traçando a história de vida da criança. A partir daí, serão trabalhados vários instrumentos de investigação: entrevistas, jogos, desenhos, observações em sala de aula e outros espaços para ter vínculo e confiança entre educador e educando.

A permanência no L.A e o processo de desligamento dependerá de uma avaliação interativa entre educando, professores do L.A e professores do ano-ciclo, que consiste na elaboração de um dossiê de cada aluno onde deverá constar: ficha de encaminhamento, relatórios de aprendizagens, já propostas nos anos-ciclos anteriores, histórico escolar, entrevistas, relatórios das proposições e atividades realizadas no L.A, relatório auto avaliativo, composto pelo aluno e educadores.

A abrangência da proposta acontece obedecendo os seguintes critérios: Inicialmente é realizada uma entrevista com o preenchimento das fichas de sondagem e identificação com os pais das crianças inscritas, tornando-se essas referenciais para planejamentos, análises e avaliações referentes ao avanço da aprendizagem.

Na primeira semana as atividades serão de sondagem para a obtenção de dados norteadores das atividades, percepção da criança a partir da ficha de sondagem e da entrevista realizada com os responsáveis.

A partir daí, passa-se a desenvolver atividades lúdicas, conferindo momentos de desafios para auxiliar a criança no enfrentamento e superação das dificuldades constatadas no processo de aprendizagem.

Os atendimentos envolvem todas as áreas do conhecimento, de abrangência diária e progressiva, e constância nas avaliações do processo. Cada criança será atendida nas suas dificuldades referentes a todas as áreas do desenvolvimento infantil. Caso seja necessário, serão encaminhados para especialistas, tais como psicopedagogos, psicólogos, neurologistas.

Entendemos que crianças precisam de tempo e de um tipo de atenção que lhes facultem a recuperação da auto-estima e uma integração plena na comunidade que as acolhe.

As crianças em desenvolvimento circulam em total liberdade pelos espaços do L.A, e convivem segundo uma estrutura familiar, sem separação em classes ou anos de escolaridade, o que, pela aproximação a um contexto de aspecto mais afetivo, mais condizente com a vida em família, embora exequível no contexto institucional, minimiza os efeitos da transição para a vida escolar e oferece as condições de estabilidade para um crescimento equilibrado. A vivência na comunidade escolar tem um caráter formativo, veiculador de valores sociais e de normas por todos assumidas e elaboradas com a participação de todos. No Laboratório de Aprendizagem, vive-se, cultiva-se, respira-se a delicadeza no trato, a suavidade na voz, a afabilidade para com o colega, a disponibilidade, a atenção ao outro, a capacidade de expor e de se expor. A interajuda permanente acontece em todo o sistema de relações, a partir do exemplo dado pelo trabalho em equipe dos professores.

“A Educação é um ato de amor, por isso, um ato de coragem. Não pode temer o debate. Como aprender a discutir e a debater com uma educação que impo”
– Paulo Freire

Dessa forma, O Projeto Laboratório de Aprendizagem se caracteriza como um espaço de atendimento educacional especializado para alunos que ao longo de sua aprendizagem apresentam alguma necessidade educacional especial, que interfira nos processos de aprendizagem e/ou no desempenho escolar, ou seja, com dificuldades cognitivas e múltiplas repetências.

Por meio de estratégias de aprendizagem diferenciadas com ênfase no lúdico, o professor que atua neste espaço realiza atividades e vivências que visam desenvolver o potencial de todos os alunos, a sua participação e aprendizagem. A organização do trabalho acontece da seguinte forma: atendimento em grupos de no máximo cinco alunos; atendimento em turno inverso ao da sala de aula; registro da assiduidade do aluno, e em caso de infrequencia, encaminhamento ao Serviço de Orientação Escolar; registro de evolução através de cada atendimento, elencando os motivos do encaminhamento, planejamento, construções e intervenções possíveis em relação às dificuldades de aprendizagem individuais.

Quanto às atribuições do professor do L.A., destacamos as seguintes: Participação nos encontros mensais de formação, entrevista inicial com responsáveis a fim de conhecer mais sobre a realidade do aluno e firmar o termo de compromisso entre escola e família quanto aos atendimentos; registro das intervenções realizadas com os alunos, compondo o arquivo do Laboratório de Aprendizagem da escola; trocas, quando necessário, com profissionais da saúde, que atendam o aluno; elaboração de diferentes estratégias para contribuir com as construções cognitivas de cada aluno; construção trimestral de parecer descritivo para devolução aos pais/responsáveis e professores. No parecer descritivo serão detalhados aspectos desenvolvidos nas áreas de raciocínio lógico-matemático, leitura e escrita, emocional e motora.

Contemplar os anseios da criança, que é o ponto central dessa caminhada. Trabalhando de forma a auxiliar no crescimento integral dos educandos, observando os aspectos cognitivo e sociais, permitindo que o L.A. possa promover uma aprendizagem crítica, criativa e desafiadora, ao mesmo tempo em que proporciona um ambiente afetuoso e seguro, faz desse Projeto não um fim em si mesmo, mas um necessário constante reavaliar das práticas propostas.

Professoras Proponentes:

Aida Cristina Nunes Corrêa
Glaucia Trindade Precht

E.M.E.F. Hilário Feijó Alvorada/RS

Equipe Diretiva / 2016:

Maristela Arend Santos – Diretora
Maria Ani Pitta – Vice-Diretora

retorna ao sumario