Do acolhimento até o pós-parto, mãe contou com auxílio de profissionais da Central de Interpretação de Libras

Marluci Daiani Silva, 29 anos, surda com baixa visão estava acompanhada de seu companheiro também surdo, Allan Rodrigo Sauer, onde realizou um sonho, dia 21 de setembro: fazer o parto do filho com o acompanhamento de um intérprete para mediação da comunicação Libras/Português. O atendimento foi possível devido à qualificação da equipe do Departamento de Direitos Humanos, através da CIL – Central de Interpretação de Libras.

A presença do intérprete em libras faz parte do processo de humanização. Do pré-natal até o pós-parto, a mediação desse profissional contribui para que a gestante se sinta mais segura, porque consegue se comunicar com toda a equipe, ao mesmo tempo em que oferece maior segurança para os profissionais.

Marluci, com o auxílio das intérpretes de Libras/Português Juliana Beppler e Victória Silva, explicou que foi a realização de um sonho conseguir expressar o que sentia antes e depois de entrar na sala de parto, o que aumentou a felicidade de ter seu filho nos braços.

Com esse marco na história da Maternidade do Hospital de Alvorada, foram assegurados os direitos do cidadão. “Foi muito importante participar desse momento. A sociedade em geral precisam disso. O paciente deve saber o que está sendo feito durante o procedimento pré e pós-parto, concluiu Juliana.

Texto: Fábio Medeiros Fotos: CIL

 

 

 

Ainda não existem comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados (*).