Rita Fernanda da Silva Ramos

Professora da rede municipal de Alvorada

Introdução

Este trabalho vem mostrar como o atendimento da Biblioteca Sonia Barbosa da Escola Municipal de Ensino Fundamental Cel. Aparício Gonçalves Borges tem acontecido desde a sua inauguração no dia 9 de dezembro do ano de 2013. Trata também da importância desse espaço para o apoio ao professor no seu trabalho em sala de aula, oportunizando aos alunos tempo e espaço organizados para a prática da leitura. Segundo Garcia, (1998), “entre os diversos meios educativos, encontra-se a Biblioteca, recurso indispensável para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizado e formação do educando. Pode-se afirmar que uma escola sem biblioteca é uma instituição incompleta e uma biblioteca não orientada para um trabalho escolar dinâmico torna-se um instrumento estático e improdutivo dentro desse contexto”.

Metodologia

Em 2014, quando foram iniciados os atendimentos na Biblioteca Sonia Barbosa, sentiu-se a necessidade de criar um projeto que guiasse o trabalho a ser desenvolvido naquele ambiente tão rico. Pensar na melhor metodologia de atendimento aos alunos e como tudo iria acontecer desde a disposição dos livros nas prateleiras até o empréstimo de material aos frequentadores. Sendo assim, pensamos e organizamos da maneira mais próxima possível da realidade da nossa comunidade e do nosso grupo de professores.

Durante a semana, cada turma tem uma hora para trocar seus livros, realizar suas leituras e ouvir histórias. As turmas seguem um cronograma pré-definido, assim os alunos podem se organizar para o “Dia da Biblioteca”, como muitos dizem. Procura-se também envolver a comunidade escolar. É oportunizada a retirada de livros pelos familiares e comunidade. Isso se dá pelo fato de possuirmos um acervo significativo de livros para adultos. Esses atendimentos acontecem nas terças-feiras, nos dois turnos. Os professores e funcionários da Escola também podem retirar livros, a Biblioteca dispõe de material específico para esse público.

Durante os recreios a Biblioteca fica aberta para aqueles alunos que preferem utilizar esse espaço e tempo com a leitura. Podem escolher um livro sentar e ler, com calma e tranquilidade. Aproveita-se também, para desenvolver questões de organização e autonomia. Eles podem pegar o livro que quiserem, desde que devolvam na mesma prateleira que retiraram. Temos recebido um número grande de alunos nesses períodos.

Foram criadas também regras de funcionamento para a Biblioteca. Com elas podemos atender os frequentadores de maneira mais organizada e objetiva. Os alunos por sua vez, vão se apropriando delas e se preparando para um melhor convívio em sociedade.

No ano anterior, foi implantada a informatização do nosso acervo e das Fichas de Registros de Retiradas. Foram criadas planilhas num programa de computador para registro de todo nosso material. Continuamos com o Livro Tombo por segurança, mas temos tudo registrado também nessas planilhas, assim como o Livro de Registro de Baixas. As Fichas de Registro de Retiradas também estão organizadas nesse mesmo programa. Ela torna os atendimentos mais rápidos. Qualquer pessoa que tiver acesso a esse material conseguirá saber quais e quantos livros o aluno retirou, quantas semanas vem esquecendo de devolvê-lo, quantas faltas teve no mês e outras informações. Não sobrecarregamos uma outra pessoa da escola para preparar esse material, e também colaboramos com o meio ambiente diminuindo o uso de papel. Essa informatização está ainda no início, continuamos testando novas maneiras de aperfeiçoá-la para melhorar ainda mais o atendimento aos nossos alunos.

Como já mencionado, a Biblioteca Sonia Barbosa é jovem ainda e tem muito o que aperfeiçoar. Com vontade e empenho se está conseguindo atingir um dos objetivos principais de uma biblioteca escolar que se acredita que seja o de aproximar nosso aluno ao maravilhoso mundo da leitura.

Conclusão

Longe de constituir mero depósito de livros, a biblioteca escolar é um centro ativo de aprendizagem. Nunca deve ser vista como mero apêndice das unidades escolares, mas como núcleo ligado ao pedagógico. O Bibliotecário trabalha com os educadores e não apenas para eles ou deles isolados. Integrada à comunidade escolar, a biblioteca proporcionará a seu público leitor uma convivência harmoniosa com o mundo das ideias e da informação.

Graça Maria Fragoso 2002
Acredita-se que seja preciso alimentar a imaginação de nossos alunos, compartilhar leituras com eles e oferecer-lhes experiências de fruição, para que descubram os encantos da literatura como uma forma de arte que possibilita conhecerem a si mesmos, ao mundo e aos que os cercam, para que se tornem pessoas mais sensíveis, mais críticas e mais criativas.
Referências
GARCIA, Edson. Biblioteca Escolar Estrutura e Funcionamento. Ed. Loyola, 2° edição 1998.
FRAGOSO, G.M. Biblioteca na Escola, Revista ACB: Biblioteconomia, Santa Catarina, v. 7, n. 1, 2002. Disponível em: <https://revistaacb.emnuvens.com.br/racb/article/view/380/460>. Acesso em:26 out. 2016.

retorna sumario