Liziane Nichele Pereira

Professora na rede pública municipal de Alvorada

RESUMO

 O estudo reflete sobre a construção da confiança, sendo a base o respeito. A partir de análise bibliográfica, e estudo serviu para refletir as especificidades deste tema tão importante e fundamental nos dias de hoje e pontuar os pontos relevantes sobre os princípios básicos e fundamentais desta proposta que mostra ser impossível trabalhar feliz num espaço aonde não existe a confiança e respeito entre chefia imediata e funcionário. E por fim, mostra que para isso acontecer, precisa-se estar preparados para aceitar e valorizar quando preciso e aprender a se posicionar e argumentar com clareza, trazendo soluções para os problemas do dia – a – dia em seu ambiente de trabalho.

Palavras-chave: Confiança. Respeito. Hierarquia.

INTRODUÇÃO

 Atualmente trabalhar infeliz tem se tornado o grande mal de grande parte da população. Mesmo com toda a insatisfação de salários baixos, excesso de trabalho ainda é possível ter um bom relacionamento com seus chefes diretos e ter dias mais  serenos e prazerosos.

A hierarquia tem sido desrespeitada e desvalorizada, pois em alguns casos os subordinados sabem fazer com mais precisão trabalhos que teriam que ser feitos pelos mesmos. Assim tornando um clima de convivência bem ríspido.

O ato de reclamar virou rotina entre muitos, em vez de ajudar com soluções. A expressão “não é meu serviço” torna-se a solução mágica para não trabalhar.

O respeito anda de braços dados com a confiança, se não existir a confiança entre a chefia e seus funcionários, provavelmente não será um ambiente de trabalho prazeroso para ambos.

 1 A CONFIANÇA

 Segundo Henry Stimson “O único meio de tornar um homem digno de confiança é confiar nele”.

A confiança é a base para muitas atividades, sem confiança não há relacionamentos.

Todo tipo de relacionamento: amoroso, familiar, amizade, companheirismo, profissional e comercial depende da confiança, e esses relacionamentos somente são sustentados enquanto há confiança.

Somente é líder quem tem seguidores, os liderados só seguem quem eles confiam.

Vimos também que a confiança é base da liderança, pois as pessoas seguem somente quem elas confiam.

Alguns fatos sobre a confiança:

  1. A confiança pessoal é uma função tanto do caráter como da competência das pessoas.
  2. A confiança só pode ser pacientemente construída, mas pode também ser rapidamente destruída.
  3. A confiança perdida, eventualmente, pode ser recuperada, mas com muito, muito esforço.
  4. A confiança, que tem a ver com previsibilidade, facilita o crescimento dos relacionamentos.
  5. A confiança em uma pessoa ou organização facilita o estabelecimento de confiança com outros, através de depoimentos.
  6. A confiança não é cega, pois cresce com o tempo do relacionamento.
  7. A confiança é uma via de duas mãos: requer limites e aprendizado contínuo das partes envolvidas.
  8. A confiança, por ser uma via de duas mãos, envolve também obrigações e comprometimentos.
  9. A confiança somente se estabelece quando há relacionamentos de troca.
  10. A confiança é intangível, mas seus efeitos podem ser medidos.

Como assinala Kramer (1999), concentrar a formação de confiança exclusivamente em expectativas de trocas recíprocas é uma mera versão de uma transação econômica repetida, o que é teoricamente frágil para justificar atitudes cooperativas.

Do ponto de vista da abrangência e da natureza do relacionamento, as análises encontradas na literatura mostram que a confiança possui características presentes em quase todas as linhas de pensamento: confiança implica investimento de risco e, portanto, expectativas de retorno oferecidas a uma pessoa para agir em favor de outra (COLEMAN, 1990).

2 AUTONOMIA = EXCELÊNCIA NO TRABALHO

 AUTONOMIA SIGNIFICADO: Capacidade de governar-se pelos próprios meios.

Autonomia está relacionado com independência, liberdade ou autossuficiência.

A diferença entre autoconfiança e arrogância é muito tênue, portanto tenha e mantenha estas atitudes:

  1. Fale de forma precisa e direta, sem rodeios.
  2. Demonstre respeito sempre.
  3. Seja comprometido, cumpra os seus compromissos e exija do outro igual tratamento.
  4. Entregue sempre, no mínimo, o que prometeu. Jamais cometa erros, mas se e quando os cometer, corrija-os prontamente.
  5. Esteja constantemente em sintonia com a realidade, tanto sob o ponto de vista da variação do que está sendo demandado, como do que você precisa continuamente melhorar.
  6. Tenha por filosofia fazer hoje sempre melhor do que ontem, e pior do que amanhã.

O enfraquecimento dos laços de confiança interpessoal contribui para o surgimento da sensação de vulnerabilidade decorrente da percepção de não possibilidade (HEIDEGGER, 1999).

CONCLUSÃO

A confiança que transmitimos e construímos em nossos relacionamentos dependem sempre do “outro” com o qual estamos nos relacionando; portanto a primeira característica para inspirarmos confiança é OUVIR, VER e SENTIR.

OUVIR o que ela fala, VER o que o corpo dela diz e SENTIR como as essas mensagens chegam para você.

Precisamos aprender a trabalhar as diferenças como diversidade, pois são nelas que construímos conhecimento. Ao invés de querer padronizar todos como “inteligentes iguais”, devemos aceitar o fato de que existem diversas inteligências e contribuir para o desenvolvimento delas em cada pessoa.

Aprender com a outro é crescer enquanto ser humano é descobrir formas de superação, de apoio, de empatia, desenvolver estratégias criativas para vencer os obstáculos e assim ser o melhor que puder para o bem do outro, e como consequência ver a realização e o crescimento de todos.

REFERÊNCIAS

COLEMAN, J. S. Foundations of social theory. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 1990.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Parte I. Petrópolis: Vozes, 1999.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Parte II. Petrópolis: Vozes, 1990.

KRAMER, R. M. Trust and distrust in organizations: emerging perspectives, enduring questions. Annual Review of Psychology, v. 50, p.569-598, 1999.

banner-site-retorna